domingo, 16 de setembro de 2018

Eu amo a minha lata velha!


Eu amo meu carro. Mesmo ele estando mais judiado que ovo de ciclista. Ele está tão velho que esses dias passei no pedágio e a moça me disse: "Bom dia, R$7,90 senhor". Eu disse: “Vendido, pode levar”. Chamo meu carro de possante, afinal, onde eu estaciono fica uma poça de óleo embaixo.

Sei que quem me conhece vai falar que quando falo desse amor estou mais louco que galinha amarrada pelo rabo, já que ele está mais riscado que do que participante do “Baleia azul”, mais sujo que telefone de açougueiro e mais amassado que dinheiro de bêbado. Quem olha ele por dentro duvida ainda mais, já que nem som meu carro tem. 

O meu carro está tão feio, que esses dias coloquei uma placa de venda nele e quando voltei, estava escrito embaixo na poeira "duvido". Ele parece carro de funerária: só anda em ponto morto. Esses dias levei ele na oficina e o mecânico perguntou por que o ronco dele estava estranho. Eu vou lá saber, o carro dorme sozinho na garagem.

Ando com o carro assim porque eu sou um cara sensato. Nos dias de hoje não há nada mais sensato do que ter um carro velho, feio, riscado e amassado, desde que ele ande, é claro.

Tenho um amigo que fica me zoando porque ele tem um carrão e eu ando nessa lata de sardinha com quatro rodas. Mas veja bem, meu carro está quitado, não pago prestação, seguro, acessórios, estacionamento e muito menos flanelinhas, só gasto com o combustível. O meu carro nunca me deixou na mão. E nem a pé.

Esse amigo diz que o carro dele atinge 200 km por hora e que o meu não. Ok, mas do que adianta se aqui na minha cidade se eu passar de 50 km por hora eu sou multado?

A gente sai no carro dele e ele fica saindo toda hora na rua para ver se o carro não foi roubado. Eu deixo o meu em qualquer quebrada do mundo na maior certeza de que ninguém vai mexer nele. Ninguém quer aquela joça nem de graça. Meu amigo sempre dá aquela olhada para trás depois de trancar o carro estacionado, como se fosse a última vez que fosse o ver.

Ele gasta uma nota com estacionamento e quando não há nenhum por perto tem que pagar para o flanelinha olhar. Agora cá para nós, você acha que o flanelinha vai impedir um ladrão de roubar o carrão do meu amigo para ganhar no máximo a gorjeta de cinco reais? Eu não me preocupo, quando o flanelinha diz que se eu não der o dinheiro do café (leia-se cachaça), ele vai riscar meu carro, eu já digo pra ele procurar um espaço onde não esteja riscado. Se ele achar, pode riscar. Quem tem carro velho não precisa ceder à chantagem de ninguém, sabe o que isso se chama? Honra!

Esse meu amigo já foi vítima de dois sequestros relâmpagos. E eu? Quem tem um carro como o meu já deixa claro ao ladrão que nem conta no banco tem e se tiver está no vermelho.

Outra coisa que meu amigo se gaba para o meu lado é que ele pega um monte de mulher por causa do carrão dele. Até nisso o meu carro velho me ajuda: a me livrar das Maria-Gasolina. Vira e mexe vejo as meninas postando: "faça acontecer que eu faço valer a pena". Interpreto: "vem me buscar de carro que eu libero". Como diz o ditado: cavalo pangaré puxando carroça bonita, consegue pastar com qualquer potranca.

Enfim, para todo lugar que meu amigo vai no carrão dele, eu vou na minha carroça feia de pangaré coxo. Sempre quando entramos nessa discussão ele me chama de invejoso e acredito que muitos que leram também vão me chamar. Mas uma coisa é certa, vivo para os bens materiais me servirem e não para ser escravo de bem material. 

quinta-feira, 13 de setembro de 2018

Minha barriga: um cemitério de coxinha!


Eu engordo e emagreço, engordo e emagreço. Já passei tantas vezes nesse tal "efeito sanfona", que quando aperto a minha barriga já toca "Asa Branca" do Luiz Gonzaga. Agora percebi que estou gordo novamente. A maior desilusão na vida de uma pessoa é você murchar a barriga e notar que não resolve mais.

Gordo não, vou aderir às novas etiquetas de xingamentos impostas pela sociedade, agora sou Plus Size. Graças a Deus eu tenho a autoestima bem elevada, tanto que entrei na farmácia, me pesei e descobri que estou vinte quilos mais gostoso. Aliás, estou vencendo a luta contra a balança, mais cinco quilos e eu esmago ela.

Estou tão gordo, que se eu colocar um relógio em cada pulso, dá fuso horário de um para o outro. Se eu pular de paraquedas acontece um eclipse. O médico disse que eu tinha que perder dez quilos, então fui na loja de artigos esportivos, comprei dois alteres de cinco quilos cada e esqueci dentro do táxi de propósito, vamos ver se funciona. Ele me disse também para evitar coisas que engordam, já estou evitando espelhos, balanças e fotografias. 

Ontem entrei em uma loja de roupas e a vendedora disse: eu acho que seu número não tem. Engordei tanto que se jogar uma camisa minha para o alto, tampa a camada de ozônio. Falando nisso, li que se você pesa 100 quilos na Terra, em Marte você pesa 38. Agora tenho certeza que moro no planeta errado.

Minhas roupas realmente não vem me servindo mais. Minhas camisas agora tem que ser do tamanho da minha internet: 4G. Ultimamente até as carapuças com indiretas que me mandam no Facebook, nenhuma me serve.

Estou tão gordo, que estou tirando selfie no modo panorâmico para me caber. Não tenho mais uma barriga e sim um cemitério de coxinha. Aliás, seria melhor ter um pulmão e dois estômagos.

Fui cantar uma garota esses dias:

- E aí gata, rola? 
- Rola, claro... é só você deitar que eu te empurro!

Semana passada eu estava chegando no Mato Grosso e lá no Acre já sentiram o abalo. Caí da escada esses dias, ninguém riu, mas a escada rachou. Engordei tanto que seu eu morrer, for cremado e jogarem as cinzas no mar, vai criar uma ilha.

Enfim, quando até sua mãe diz que você está gordo, é porque você realmente precisa fazer alguma coisa. Vou fazer... uma dieta? Não, vou fazer um churrasco!

quarta-feira, 5 de setembro de 2018

Tamanho é documento?


​​​​​Hoje vou comentar sobre um assunto que intriga a raça masculina que participo com orgulho. Afinal, tamanho é documento?

Vou começar falando por mim, afinal não fico muito intrigado com isso já que sou adepto das velhas frases: “tamanho não é documento” e “dinheiro não trás felicidade”, o que logo mostra que sou pobre e que tenho pinto pequeno. Sou feliz assim, não vou deixar que coisas pequenas atrapalhem meu dia a dia.

Engraçado que recebo vários e-mails com “táticas” para aumentar meu pênis. Mas é besteira. Um amigo me disse que é só amarrar um barbante com uma pedra no dito cujo e fazer um levantamento de peso. Segundo ele funciona, mas não tenho coragem de arriscar meu pescoço. Prefiro continuar com meus poucos, mas naturais dotes. Além do mais, não acredito nesses truques, esses dias comprei um produto pela internet que prometia aumentar o Nicolau, mas quando recebi em casa e abri, vi que era uma lupa.

Semana passada eu conversava com uma moça pela internet e ela me disse que pra sair com ela tinha que ter um pênis de A a Z. Olhei no teclado a distância de A até o Z e pensei: "está no papo!". Mas no fim das contas, acabei nem pegando esta mina. Tenho um grave problema com preservativos, todos que eu compro tenho que levar para minha mãe fazer barra e ela não estava em casa nesse final de semana.

Com certeza o que mais chateia nossa classe são as gozações (estou falando de zoação). Um amigo me zoa bastante por causa disso, quando eu ver a namorada dele vou reclamar e mandar ela parar de ser fofoqueira.

Fui passar trote esses dias para um amigo cabeleireiro e me dei mal:

- Alô, é do salão?
- É sim!
- Quanto custa para lavar a cabeça?
- 15 reais.
- E o Nicolau inteiro?
- No seu caso, continua 15 reais.

Acho que ele reconheceu a minha voz.

Essas zoações traumatizam sim, é fato isso. Tanto que esses dias fui comer um lanche no Subway e a atendente perguntou:  

- Boa tarde, senhor, 15 ou 30 centímetros?
- Ah, 7, mas isso não tem nada a ver. 

Vou encerrar esse texto porque está friozinho hoje. No frio junto com as ideias outras coisas diminuem e não quero falar mais dele. Mas uma coisa é certa, nesse texto fiz igualzinho ao meu dito cujo: quando todos pensavam que estava na metade, já estava no final.

domingo, 2 de setembro de 2018

É duro ser duro!


Eu sou pobre. E enquanto eu vejo milhões de brasileiros nas ruas protestando, eu também fui a vários protestos este mês: no SPC e no SERASA. Se tempo é dinheiro, meu relógio só vive atrasado.

Ando mais duro que bochecha de estátua, tão duro que quando eu entro nas lojas, os vendedores já abaixam a cabeça sabendo que só vou perguntar o preço. O diploma da faculdade até agora só me serviu para uma coisa: forrar a gaiola do passarinho.

Ultimamente ando mais apertado que saco de Cowboy. Fui ao banco pegar um empréstimo esses dias e nem consegui entrar. O detector de metal da porta giratória ficava travando por causa do prego que estava remendando minhas havaianas.

Não sei o que é melhor, ser feio e rico ou ser bonito e pobre. Mas eu sei muito bem o que é ser pobre e feio. A vida de pobre é muito difícil e ninguém faz nada para melhorar a nossa vida, a não ser um dos grandes gênios da humanidade, o chinês que inventou a raquete elétrica de matar pernilongos. Esse sim olhou para os pobres!

O pior lado da pobreza é querer comer coisas diferentes e não poder. Hoje se eu conseguir comer um frango, pode ter certeza que é porque eu ou ele está doente. Adoro laranjada, mas só tomo quando sai briga na feira.

Ser pobre na era da tecnologia também não é legal. Eu queria equipar meu computador que é mais lento que coice de porco. O teclado é tão antigo que mais parece o de uma máquina de datilografia. Meu celular é moderno, mas ganhei de uma amiga. Esses dias recebi uma mensagem de um amigo me chamando de pobre, mas não respondi porque não tinha créditos.

Comentava sobre minha pobreza com um amigo e ele me disse: “nossa, você está comendo o pão que o diabo amassou, hein?”. Eu respondi: “sim, o pão que ele amassou na semana passada”.

Ontem veio um mendigo falar comigo e me pediu um pão. Eu não podia ajuda-lo porque estava mais duro que ele. Mas fui categórico ao dizer que não poderia ajudar porque já era quase meio dia e que se ele comesse pão naquele horário não iria conseguir almoçar direito.

Já pensei em jogar na loteria para tentar ficar rico, mas pensando bem, se eu tivesse sorte na vida não estaria nessa situação. E também tenho medo de ficar rico sabe, sempre ouvi dizer que pobre é que nem lombriga, quando sai da merda, morre.

Termino por aqui, vou desligar o computador para economizar na conta de luz. O clima está chato aqui em casa ultimamente, principalmente depois do dia que eu pedi mesada para o meu pai. E se eu fosse contar todo o aperreio que eu passo devido a pobreza, esse texto nunca chegaria até aqui, a ultima linha.

quinta-feira, 30 de agosto de 2018

Um milagre pra cachorro!


Não sei como alguém pode fazer mal a um animal. Ainda mais a um cachorro que provavelmente é o animal mais amado do mundo. Está em todo lugar, em filmes, letras de músicas, a meia noite latindo na casa do vizinho. Se eu fosse um animal, queria ser um cachorro. Eles dormem o dia inteiro e quando acordam, o dono fala: "vai dormir". Só não entendo uma coisa sobre esses adoráveis bichos: se os cachorros têm o olfato muito mais potente que humanos, por que cheiram tão de perto o traseiro um do outro? 

Um amigo me disse uma vez que não há nada mais puro que o sorriso de um cão. Confesso que nunca vi. Já até contei piada para o Mortadela (meu cachorro) uma vez, mas ele não riu. Nem meu melhor amigo ri das minhas piadas. 

O Mortadela vivia perseguindo as pessoas de bicicleta. Um dia minha paciência acabou e tive que tomar uma atitude: tomei a bicicleta dele. Outra coisa que não entendo, é por que os cachorros correm para a porta quando a campainha toca? Raramente é para eles a visita.

Vi no Facebook esses dias que um psicólogo está vendendo um vídeo "Como testar o Q.I. do seu cachorro". Deve funcionar assim, se você gastar R$ 19,99 no DVD, com certeza seu cachorro é mais esperto que você. Falando em fatores psicológicos, acho que o motivo das pessoas terem cachorro é por segurança. Pela segurança de saber que existe pelo menos uma criatura nesse mundo que realmente gosta de você. Namorei uma garota que tinha uma cachorrinha e a miserável era muito chata, mas da cachorrinha eu até gostava.

Mas infelizmente nem todo mundo gosta de cachorro. Em Malta, uma cachorra recebeu 40 tiros de uma arma de pequeno calibre e foi enterrada viva. Contrariando qualquer probabilidade, ela foi encontrada por uma pessoa que passava pelo local. Star, como foi batizada, estava gemendo e somente com o focinho para fora da terra. A cachorra foi operada e passa bem. Já recebeu inúmeras propostas de adoção, mas agora ela prefere dar testemunho em igrejas evangélicas, afinal não é qualquer um que ressuscita.  

Enfim, fico triste com tamanha maldade. Estou meio sensível com essa história, tanto que minha namorada falou que eu sou um cachorro e meu humor só mudou agora quando ela me levou para passear.

quinta-feira, 23 de agosto de 2018

Morri, mas passo bem!


Passei mal no final de semana, fiquei com 40 graus de febre. E pude perceber o quão forte são as mulheres, não sei se é ironia, mas uma vez ouvi dizer que durante o parto as dores são tão fortes, que uma mulher quase consegue imaginar o que sente um homem com febre.

Para vocês que dizem que eu não pego ninguém, uma novidade: peguei uma gripe. Menos mal que não é gripe suína, já estava xingando o meu amigo Presuntinho por ter me contaminado. 

Quando ficamos mais velhos começamos a ficar igual ao meu carro: arruma o motor, fura o radiador, troca a embreagem, fura o tanque de gasolina e assim por diante. Percebo que a idade está chegando, pois quando eu era novo, o Mar Morto só estava doente. Daqui uns dias quando eu adoecer não vou mais precisar de médico, mas sim de um arqueólogo. 

Esses dias me ligaram oferecendo um plano de saúde. Eu recusei, já que eu não tinha plano de ficar doente. Me dei mal, afinal, tive que ir para um hospital público esse final de semana. 

Quando cheguei lá, logo de cara vi uma mulher muito brava, xingando todo mundo. Acho que ela não era paciente. 

Ao lado dela outra cantava: remove a minha pedra, me chama pelo nome ♪♫. Não entendi na hora, mas depois fiquei sabendo que ela tinha pedra nos rins. 

Dizem que sou antissocial, mas sempre faço amizade na sala de espera do hospital. Ganho a simpatia de todos falando mal dos médicos e do atendimento. Ainda mais quando peguei uma senha de atendimento que tinha mais número que o CEP de casa. Quando a atendente me deu aquele número achei que fosse o WhastApp dela. 

Ela me disse: "calma, senhor, é só uma febre, me diga qual é o seu plano". O meu plano é ser atendido rápido e ir embora dessa merda! 

Encontrei uma amiga minha lá no hospital. Eu vomitando e ela tirando foto nossa para colocar no Facebook. Na hora em que vi a postagem quando cheguei em casa pensei: ainda bem que só vomitei e não me caguei todo! 

Meus amigos ainda queriam que eu fosse para a noitada com eles. Me senti como a famosa Sambalelê da cantiga infantil. Sambalelê está doente, está com a cabeça quebrada. Aí o que querem que Sambalelê faça? 

( ) Tome um remédio 

( ) Procure um hospital 

( ) Fique de repouso 

(x) Sambe 

Só faltaram querer me dar umas boas palmadas porque não segui o conselho. Mas a lógica de todo mundo é essa, se você rir enquanto estiver doente, é porque já melhorou.

sexta-feira, 17 de agosto de 2018

Feliz dia do vizinho!


Essa semana é comemorado o dia do vizinho. Há quem não goste, mas vizinho é bom: quando não mora perto da minha casa. Tenho alguns vizinhos que não me curtem, mas adoram fazer comentários e compartilhar com outros. Vizinho é igual vidente, sabe da sua vida toda, mas nem ouse perguntar como.

Você está feliz e tudo está dando certo na sua vida, até aquele vizinho inconveniente te acordar cedo para pedir açúcar. Aquele, logo aquele que sabe sobre a vida de todos os vizinhos, mas não sabe o dia que o caminhão do lixo passa.

Está bom, estou sendo ranzinza, vizinhos tem lá seus lados positivos. Certo que se eu usar Wi-Fi do vizinho não é roubar, a partir do momento que o sinal entra na minha casa, invadindo minha propriedade privada. Quem nunca deu uma de hacker tentando descobrir a senha do Wi-Fi do vizinho com o nome dele mais o ano em que estamos? É apenas um chumbo trocado já que eles não perdem a oportunidade de usar o nosso Wi-Fi. Depois que troquei a senha aqui de casa, nunca mais vi um vizinho aí online. Pior que digitei o nome da minha mulher e descobri a senha do Wi-Fi dele, que burro!

E aquele vizinho que nunca ouviu falar em música boa? Quem não tem! É a 4ª Lei de Newton: para cada vez que o  seu rádio tocar uma música que te agrade, seu vizinho colocará um funk em volume igual ou maior na casa dele. E quando você está dormindo, sonhando que ficou rico e acorda com seu vizinho ouvindo pagode? Isso é tomar uma descarga de alta voltagem de realidade.

Dizem que a grama do vizinho é sempre mais verde. Não é só isso não, o churrasco dele também é sempre mais cheiroso. Esses dias minha sobrinha pegou o meu estilingue e ficou tentando estourar uma lâmpada no quintal do vizinho. Fui lá e dei uma bronca nela: Levanta mais a mão, senão você vai errar!

Ter uma namorada que é vizinha, é como vender droga ao lado da delegacia: não dá certo. Mas quando estou a toa penso: o ônibus ou minha vizinha, o que vier primeiro eu pego. Falando nisso, ontem meu vizinho se envenenou porque descobriu que a filha de 17 anos não é mais virgem. Coitado, tomou veneno com quase cinco anos de atraso.

Outro vizinho morreu esses dias. Ele teve 15 filhos e morreu aos 45 anos. A esposa dele disse que ele ainda era novo, e não gozou a vida. Imagina se tivesse gozado! Ainda nesse assunto, quem nunca acordou no meio da noite ouvindo os vizinhos transando e achou que esqueceu uma aba do navegador aberta?

Tenho um vizinho que se parece com o carro dele, uma Pick-up F250. Quando ele passa todo mundo fala: olha essa bichona!

Enfim, hoje é dia do vizinho, então vamos comemorar! Vamos fazer festa com som alto até amanhecer! E mais, quem nunca fez alguma brincadeira com a cara do vizinho que atire a primeira pedra... na janela dele!

quinta-feira, 16 de agosto de 2018

​​​​​Existe algo organizado no Brasil: o crime!


Sobre o assalto dessa noite eu só digo uma coisa: engordei dois quilos, realmente o crime não compensa. E entre tantas bagunças no nosso país, algo pelo menos é organizado, o crime!

A coisa está feia quando o assunto é violência. Diria que a situação está mais feia do que banguelo gritando gol do Corinthians. A população anda na rua mais desconfiada do que meu avô comprando Viagra em farmácia nova. E eu, assim como você e qualquer outro cidadão de bem venho sofrendo muito com a violência. Põe na tela:

Dias atrás saí com o carro, deixei estacionado e quando voltei, ele não estava mais lá. Testemunhas me falaram que o carro foi roubado. A que ponto chegamos. Imagine o ladrão roubando o carro: “rodas ao alto, é um assalto”. Como se já não bastasse o IPVA.

No dia seguinte eu andava pela rua e dessa vez eu fui abordado: “mãos ao alto, é um assalto”. Mas o ladrão deu azar porque eu estava tão duro que se me chamassem posaria na G Magazine. Pelo menos ele foi caridoso e me deu cinco reais pra eu pegar um ônibus e ir embora.

Mas vi que o mundo estava perdido quando cheguei de surpresa em casa e vi um ladrão roubando a calcinha da minha mulher. Sorte que cheguei e a salvei bem na hora em que ele estava tirando do corpo dela. 

No bairro onde eu moro vira e mexe tem uns tiroteios. Esses dias teve um bem no horário de pico quando os trabalhadores voltavam para suas casas. Agora sempre que o ônibus passa por lá todos passageiros deitam no chão com medo dos tiros. O Governador disse que não tolera mais ver o povo passar por isso e vai tomar uma medida radical: vai substituir todas as cadeiras dos ônibus por camas.

O trânsito no Brasil também é muito violento. Li que em São Paulo um homem é atropelado a cada cinco minutos. Eu se fosse esse cara nem saía mais de casa, vai ser azarado assim lá no inferno, já deve estar todo quebrado!

Esses dias após uma discussão de trânsito vi um cara cimentando o carro do outro na calçada. A vingança foi pesada, mas para mim não faz sentido. Mesmo sem meu carro estar cimentado no chão eu não consigo sair do lugar na maioria dos dias aqui em São Paulo. 

E as drogas? Daria para escrever um livro sobre esse assunto. Esses dias, os traficantes do meu bairro montaram uma barraca de frutas para disfarçar a venda de drogas. Para os nóias foi bom, já que compravam a maconha e já levavam um cacho de banana para a larica. E assim como nas barracas das feiras livres, na barraca deles mulher bonita não paga, mas também não cheira.

Acredito que a população precisa se conscientizar de que a violência não leva a nada. Eu aprendi isso em um simples momento de reflexão. Um dia estava pelado e um pernilongo pousou no meu saco, nesse dia percebi que nem tudo se resolve com violência.

E enquanto acontece tudo isso, nós vamos empurrando essa situação com a barriga e não tomamos atitudes para melhorar. O Brasil precisa de menos opiniões e de mais atitudes. Essa é a minha opinião!

quarta-feira, 8 de agosto de 2018

Só a cabecinha?


Hoje pela manhã fiquei horas preso no trânsito. Agora sei como a minha vizinha se sentiu quando ficou presa no toboágua do clube. Mas nada que se compare ao caso do pobre Rebel, um cachorro que foi encontrado ganindo e com a cabeça aparecendo do outro lado da parede de 46 centímetros de espessura, enquanto seu corpo se manteve firmemente do outro lado, causando mais alvoroço que bêbado no convento. 

Minha vizinha que ficou presa no toboágua não tem nada em comum com o pobre cachorro, peço desculpas (ao cachorro) pela comparação infeliz. É que desde que ela colocou um piercing na língua, só posta fotos na internet de língua de fora parecendo um cachorro com sede. Fotos que parecem com as de cachorro para adoção: todo mundo curte, mas ninguém quer levar para casa. 

Voltando ao assunto, o dono do animal (do cachorro) disse que essa história toda lhe rendeu a maior dor de cabeça. O que é no mínimo curioso, visto que quem quase teve a cabeça serrada pelos bombeiros foi o cachorro, não ele. Segundo ele, o cachorro brincava no quintal quando enfiou a cabeça em um buraco existente no muro. Aí eu pergunto: brincava do quê? De Copa do Mundo, ele era o Zidane e deu uma cabeçada no muro que era o zagueiro da Itália?

Era um cão pastor e como de praxe quis dar uma mudadinha de leve nas escrituras. Em Marcos capítulo 10, versículo 25 diz: “é mais fácil um camelo passar pelo buraco de uma agulha do que um rico entrar no reino dos céus”. Ele quis mudar de camelo para cachorro e de agulha para parede. O problema é que ficou preso e nem deu para passar recolhendo o dízimo.

Outra escrita caiu por terra com essa história: a de que se passar a cabeça o resto passa fácil. Escrita que para mim nunca fez sentido, afinal, ao contrário do cachorro, pênis não tem ombro.

Já vi vários cachorros subindo pelas paredes a ponto de confundir minha perna com uma cachorra, mas cachorro entrando pelas paredes é a primeira vez que eu vejo.

No fim das contas, essa história nos deixa um aprendizado: esse negócio de "colocar só a cabecinha" quase sempre acaba com alguém sendo retirado à força.

sexta-feira, 20 de julho de 2018

Um post de aniversário


​​​​​Três coisas na vida ficam ainda melhores no dia seguinte: a vitória do seu time, pizza e aniversário. 

Nesse aniversário eu só queria ganhar um bolo: de dinheiro. Quando se passa dos trinta, entra em ação uma das maiores leis da vida: quanto mais aniversário você faz, menos presentes você ganha. O fato de ter a decoração de dinossauro no meu aniversário não significa que sou velho, ou significa? Estou tão velho que parece que quando Deus disse: faça-se a luz, eu puxei a fiação.

Estou com tanta conta sem pagar, que hoje a menina do SERASA me ligou logo cedo dando os parabéns. E não foi só ela que se lembrou não, uma meia dúzia de gatos pingados sempre se lembram do meu aniversário. Uma amiga da igreja mandou uma mensagem escrito "que Deus elimine a sua vida". Espero que seja ilumine e que ela tenha escrito errado. E na real, quem não tem aquela vontade de mandar "que bom, um ano a menos de vida", no aniversário de algumas pessoas? 

Um amigo de infância também me mandou os parabéns também:

- Parabéns, português boiola!
- Obrigado por se lembrar!
- Como poderia me esquecer a senha do seu wi-fi!

Fico sem graça em receber parabéns por fazer aniversário. É estranho você receber méritos por algo que não tem culpa. Seria mais lógico e sensato me dar os pêsames, já que em certa altura da vida não é um ano a mais e sim, um ano a menos. 

Fizeram uma festa surpresa para mim. Não importa quantos anos você tenha, você nunca vai saber como agir quando cantarem parabéns para você. Alguém sabe quanto tempo demora para realizar os pedidos de aniversário que eu fiz antes de apagar as velinhas? E haja velinha viu, precisei de um ventilador potente para apagar todas. 

Mas no fim foi legal, festa de aniversário, família reunida... e não tia, eu não tenho namorada! Atualmente estou até precisando de um "com quem será? ♫♪" no meu aniversário, pena que isso ninguém cantou.

quarta-feira, 4 de julho de 2018

A arte no banheiro


Desde os tempos das cavernas, os seres humanos tem grande necessidade de se expressar e se comunicar. É notável não só a evolução da escrita, como também dos meios e formas de comunicação desde a era paleolítica até hoje. Entre os meios de comunicação e de expressão cultural, o que mais tem se notado evolução nos comunicadores é o banheiro. Isso mesmo, o banheiro público.

Antes usado somente para passar um fax, o banheiro hoje é um local onde os filósofos pós-modernos produzem suas obras. Não estou falando daquele negócio marrom e pastoso que recebe vários nomes diferentes e que no fundo é a mesma merda, mas sim das citações que são escritas nas paredes do recinto sagrado.

Existem frases conhecidíssimas, que podemos considerar as “Monalisas” como:

“Lá fora você é machão, aqui você é um cagão”.

“Não cague cantando porque o cocô não sai dançando”.

 “Aqui termina a obra de um cozinheiro”.

Essas duas últimas mostram que eles também entendem de música e de gastronomia.

Há quem pense que no banheiro só exista arte barroca, mas também há poesias de matar Carlos Drummond de inveja, exemplo:

“Cagar é a lei da vida, cagar é a lei do universo, e foi aqui cagando que eu escrevi esse verso”.

“Bosta não é tinta, dedo não é pincel, quando você cagar se limpe com papel”.

“Nesse lugar sagrado toda vaidade se acaba. O mais covarde se esforça e o mais valente se caga”.

Também existem escritores que fazem obras para reflexão, e cá para nós, não há momento mais propício para refletir do que esse momento sagrado. Certa vez vi essa frase em uma parede: “Enquanto você está cagando existe um japonês estudando”. Já vi também: “Homem que fala fino pode crer que caga grosso”. Reflitam.

Quem não tem dinheiro para classificados pode anunciar nas paredes dos banheiros públicos. Já vi de venda de carros até a venda do próprio corpo.

Há também quem procura a sua alma gêmea. E nem são tão exigentes, pelo que vi esse público gosta de gente bem dotada e que tenha o celular da mesma operadora.

Cuidado que também há “pegadinhas” nesse tipo de arte. Uma vez vi uma frase com letras miúdas no rodapé da porta. Me abaixei para ler e a frase dizia: “Cuidado, se chegar muito perto você corre o risco de cagar fora do vaso”.

Deixo claro que sou totalmente contra qualquer tipo de pichação, não sou a favor desse tipo de "arte" que na verdade é vandalismo. 

No banheiro é sim um lugar para contemplarmos uma boa leitura, mas o ideal é levar um bom livro, revista ou um jornal para lermos enquanto estamos em nosso trono real. Ainda bem que este blog não é impresso, senão alguém ia querer se limpar com ele. E cá para nós, com a qualidade dos textos que escrevo, se alguém se limpasse com isso seria difícil distinguir o que é fezes e o que texto.

sexta-feira, 22 de junho de 2018

Fique frio, chegou o inverno!



Quando cai a temperatura as pessoas sempre procuram um jeito de esquentar o clima. E sempre o que há de mais acalorado são as eternas discussões sobre o que é melhor, o frio ou o calor. Eu particularmente não gosto nem do calor e nem do frio, eu gosto é de reclamar da temperatura.

Está tão frio que acordei cedo com o barulho da dentadura da minha avó. A dentadura estava fazendo abdominal dentro do copo de água para se esquentar do frio. Levantei, saí e fui à praça dar milho aos pombos, mas curiosamente hoje não tinha nenhum. Só havia pinguins.

Tremi tanto de frio esses dias que se eu fosse uma galinha botaria um ovo já com a clara em neve. Se eu fosse uma vaca ao invés de dar leite, daria sorvete de nata.

Dizem que frio é psicológico. Pode até ser, fui tirar a dúvida com meu psicólogo e ele estava esquiando em Manaus para se ter uma ideia. Falando em psicológico, o meu também fica alterado no frio. Fico romântico como um europeu para arrumar alguém para me esquentar, mas a preguiça continua de brasileiro e o pênis continua de japonês. O pior é que na maioria das vezes o romantismo europeu não funciona. No frio as mulheres parecem pernilongos e somem misteriosamente. Até as piriguetes postam fotos com roupas nas redes sociais. 

Mas uma coisa em mim não muda no frio: continuo solidário! Tanto é que vi um mendigo dormindo no chão esses dias e peguei um colchão aqui em casa para levar para ele. Fiz uma fogueira com o colchão que o aqueceu a noite inteira. 

Fico bravo quando estou embaixo das cobertas e pedem para eu levantar no frio. Ontem, um frio danado e minha mãe me manda fechar a janela que estava frio lá fora. Fechei, mas continuou frio lá fora do mesmo jeito, cada coisa! 

Hoje está tão frio que a caixa d'água destampada virou pista de esqui para os mosquitos da dengue aqui em casa. Fui jogar Mortal Kombat, escolhi o Subzero e ele veio de blusa. Falando nisso, vou criar um aplicativo chamado "Dança da Manivela", só para saber onde está quente, onde está frio. 

Até lá no cemitério era ruim trabalhar no frio. Tinha dia que os fantasmas não apareciam de lençol e sim de edredom. 

Vou terminar esse texto porque tenho que tomar banho. Banho no frio é igual briga, eu fico evitando até o último momento, mas depois que eu entro não quero mais sair. Quando era criança nos dias frios eu fingia que tomava banho, ligava o chuveiro e sentava na privada enquanto a água caía no chão. Hoje depois de velho vi que não compensa passar frio a toa, agora esquento a tampa da privada com o secador antes de sentar. 

Sei que as piadas desse texto não foram muito boas e muita gente está me mandando mentalmente para o inferno. E olha, nesse frio eu vou mesmo.

quinta-feira, 25 de janeiro de 2018

Calor, vou abrir um de Ruffles para tomar um ventinho


Está muito quente. Tanto que vou abrir um pacote de Ruffles para ver se bate um ventinho. Está fazendo tanto calor, que a previsão do tempo diz que hoje teremos sol forte com pancadas de brasa. O calor está tão grande, que galinha está comendo milho e cagando pipoca.

Minha cidade está em terceiro lugar entre os lugares mais quentes, perdendo somente para o Sol e para o inferno. Aqui temos duas sensações térmicas: "cozinhando na panela de pressão" ou "dormindo de conchinha com o capeta". 

Se calor fosse bom, o inferno seria gelado. Está tão quente, que na minha cueca agora tem 3 pintos porque os ovos chocaram. Com esse calor já estou até gostando dos gelos que as mulheres me dão. Teve uma que me disse para tirar o cavalinho da chuva, mas não vou, se eu for ele me dá um coice. 

Ouço dizer que o amor está no ar. Só se for no ar condicionado. Calor, insônia, pernilongo e barata voadora, ótima combinação, hein? 

Quando pedi noites quentes em minhas orações, não estava me referindo à temperatura. Nesse calor use um bom desodorante, senão como diz aquele versículo, mil cairão ao teu lado, e dez mil à tua direita. Uma dica: recomendo ligar o chuveiro no quente, provavelmente será mais fresco que o natural.

Falando nisso, nesse calorão a água já sai da torneira no ponto para o chá mate. Estou até cogitando colocar pimenta nos olhos dos outros para ver se refresca. Alguém se habilita?

Um amigo me disse que está um clima de montanha. Sim, montanha vulcânica! Hoje é o típico dia em que ficamos bronzeados na sombra. Está tão calor, que a Dança da Manivela agora é só: "aqui tá quente, aqui também ♪♫".

Nesse calor, estou suando mais que tirador de espírito com reza fraca ou até mais do que cuscuz no bafo. E vocês que gostam de calor, é bom irem se acostumando com essa temperatura, pois os quintos de onde vocês vão é bem pior.

quinta-feira, 21 de setembro de 2017

A cura gay


A Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados aprovou o projeto de lei conhecido como "cura gay", pelo qual psicólogos podem propor tratamento para homossexualidade. Eu particularmente não acredito que esse papo de "cura gay" está indo pra frente. Precisamos de políticos que realmente representem o nosso povo e o que realmente precisa ser resolvido no nosso país.

Sempre me perguntam se sou a favor do casamento gay. Olha, não importa se o casamento é gay ou hétero, se tiver comida, bebida, churrasco e principalmente amor e respeito, eu aprovo. Deixa os caras serem felizes, é comum um dar o anel para o outro mesmo. Convivo com pessoas de todos os tipos: héteros, gays, lésbicas e o pior tipo de gente, aqueles que se acham melhor que os outros. 

Tudo hoje em dia é misturado com religião. A fé não importa mais, o que importa é a lição de moral que posso dar no outro por eu ser da religião A, B, ou C e ele não. Vi um vídeo do Malafaia falando em boicotar a Disney. É tipo eu abrindo uma lanchonete na favela e querendo boicotar o McDonald's. Vai lá Malafaia, você consegue!

Falando em fast-food, tenho um amigo que trabalha de manobrista no Habib's, só pra poder dar ré no quibe sossegado. O pior é ver meus amigos gays se preocupando com isso. Como se já não bastasse a preocupação que eles têm de sair da zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro. 

Como já disse, tenho vários amigos gays em todos os ambientes que frequento. Trabalho com um que mesmo não gostando de cigarro, se senta na área dos fumantes na empresa só pra ser um fumante passivo. Quando vamos almoçar juntos ele chega no restaurante e pergunta se o prato do dia é mandioca na costela tirando onda com o garçom. 

Alguns amigos de infância também viraram gays e mesmo assim a amizade continua a mesma. Tinha um que ao invés de cantar "Atirei o pau no gato", ele cantava "Me atirei no pau do gato". Descobri que ele era gay quando fui cadastrar ele num site gay para zoar e apareceu a mensagem: "e-mail já cadastrado". Esse é tão gay que foi espremer um cravo e saiu uma rosa.

Eu estou solteiro, com mais de 30 anos e tem gente que acha que estou assim porque sou gay. Na boa, se "alegre" significa "gay" em inglês, eu sou o cara mais triste do mundo. O que eu não concordo é com o preconceito contra qualquer pessoa e por qualquer motivo. Acredito que ser hétero e reclamar dos gays é como ser vegetariano e reclamar de carne. Se você não vai comer, para que se importar com quem vai? Cuida da sua vida!

Aí falo isso e escuto: "você defende os gays, então deve ser gay também". Meu amigo, o pessoal do Greenpeace defende as árvores e nenhum deles é uma árvore. 

Os políticos tinham que procurar a cura para aqueles que morrem de fome e nas filas dos hospitais. Aí eu veria vantagem. 

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

​​​​​Homem não beija ninguém em micareta e processa prefeitura


Um universitário assim como eu, virgem, intocado, invicto, puro e imaculado, que se identificou como J.C.A. entrou com uma ação por danos morais contra a prefeitura de Guararapes do Norte, no glorioso estado do Acre. O motivo? O rapaz não beijou ninguém em uma micareta promovida pela prefeitura. 

O cabaço, digo, o universitário, mais perdido que azeitona em pão doce, alegou que “depois de quase dez horas de curtição e bebedeira não conseguiu conquistar nenhuma das muitas jovens que corriam atrás de um trio elétrico”. O que o deixou mais nervoso que gato em dia de faxina, foi o fato de que todos os seus amigos da festa saíram com historias pra contar. 

Se esse cara tivesse morrido de overdose na micareta, seria homenageado em sua lapide: "Nasci virgem, vivi virgem e morri virgem". Ou para resumir poderia apenas colocar: "Devolvido sem uso".

Fui em uma micareta em um local fechado uma vez. Naquele dia entendi como os presidiários conseguem cavar um túnel usando apenas uma colher. Meses depois apareceram várias meninas novinhas grávidas, e eu aqui querendo saber como a água entra no coco. Todo mundo diz que o álcool mata, mas não dizem que por sua causa também nasce muita gente.

Imagina essas meninas ninando seus filhos:

- Mãe, canta alguma coisa pra eu dormir?
- Desejo a todas inimigas vida longa... ♪♫ 
- Não, tá bom, deixa que eu durmo sozinho!

A prefeitura se defendeu com o argumento de que não é responsável pelo fato do jovem ser mais frouxo que colarinho de palhaço e não ter capacidade de pegar uma mulher numa micareta. O prefeito, mais enrolado que briga de polvo, disse que o evento era uma comemoração de caráter familiar. Quem já ouviu falar ou foi em uma micareta sabe que de caráter familiar não tem nada. 

No final das contas, os dois lados saíram vitoriosos: a prefeitura por vencer a causa contra o estudante e o virjão que conseguiu uma namorada do setor de aconselhamento psicológico do município. Cada panela tem sua tampa.

quinta-feira, 7 de setembro de 2017

Independência ou morte!


Independência ou morte! Foi o que disse Dom Pedro I, no dia 7 de setembro de 1822. Na boa, do jeito que está a violência hoje, o líder popular para gritar isso aí tem que ser muito macho. O Brasil está tão violento, que eu fui na padaria, a mulher me disse que ia me dar o troco de bala e eu saí correndo.

Tenho certeza que se Pedro Álvares Cabral imaginasse no que se tornaria o Brasil 517 anos depois, ele teria passado reto com a caravela dele. As autoridades de hoje são incompetentes demais. Os corruptos e os chefões do tráfico eles não encontram, mas meu carro estacionado em lugar proibido às duas da manhã em lugar que não tem trânsito esses miseráveis acham. A justiça brasileira é muito eficiente em dois momentos: na hora de condenar os pobres e de absolver os ricos.

O povo tem como passatempo principal fazer filho. Hoje toda casa tem TV e ainda assim a população cresce desordenadamente. Quando vejo um carro que tem adesivo de família com mais de quatro crianças, eu deixo uma camisinha no para-brisa. Esses dias digitei no Google "gravidez indesejada" e automaticamente o botão "Estou com sorte" sumiu.

Ainda temos que carregar rótulos por ser brasileiros:

"Brasileiro é apaixonado por carro". Não, ele é apaixonado por status fútil. Brasileiro pode até ser apaixonado por carro, mas as brasileiras são mais ainda.

"A mulher brasileira é a mais linda do mundo". Tem tanto plástico no corpo que leva 100 anos para se decompor. 

"Brasileiro não desiste nunca". Mas aqui correr atrás dos seus sonhos, é a mesma coisa de correr atrás do Usain Bolt.

Você diz para um estrangeiro "sou brasileiro" e ele entende "moro no Rio de Janeiro, jogo futebol e pulo carnaval o ano inteiro". Se o Arnold Schwarzenegger fosse brasileiro, montaria uma banda de pagode chamada "Arnaldo e Suas Nêga".

O brasileiro é tão apaixonado por praia, que até nas Olimpíadas e Mundiais ele só pensa no bronze. "Deitado eternamente em berço esplendido", brasileiro manifesta preguiça até na hora do hino.

Sem contar o popular "jeitinho brasileiro", que podemos chamar de "artimanha ilegal". Falando nisso, esses dias voltando para casa, me deparei com um cara pobre desmaiado na rua. Bom, quer dizer, suponho que ele era pobre, afinal só encontrei dois reais na carteira dele.

E o noticiário só fala de duas coisas: violência e futebol. 

A morte vem sendo mais falada que a independência. Fico chocado quando leio nos jornais que foi encontrado mais um corpo boiando na represa. Será que ninguém sabe mais como usar um bloco de cimento?

Criticaram o Neymar porque foi para o PSG por causa de dinheiro e da independência que todo brasileiro busca: a financeira. Ué, eu também fui pro SPC pelo mesmo motivo: dinheiro.

Eu sou igual o Pelé: muito preocupado com o futuro das crianças. E não sou só eu, minha prima está muito preocupada com seus filhos. Ela fuma demais e isso está afetando a saúde dos garotos. Me perguntou como largar, indiquei um orfanato, espero que ajude.

Bom, feriadão, agora vou descansar. Muitas garotas postando fotos de biquíni no Facebook, vou preparar meu sombreiro, minha sunga, água de coco e pegar uma praia em casa mesmo em frente ao computador.

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

Facebookson é o nome dele!


Hoje em dia, na era das redes sociais, os casais modernos vem se formando através de perfis em diversos sites e aplicativos. Não vou mentir, já me inscrevi num aplicativo de namoro, mas não pus foto, nem data de nascimento, nem meu nome verdadeiro. Me falaram que não devemos nos expor muito na internet. Esse tal de Tinder é uma espécie de iFood, só muda a finalidade.

Hoje em dia as relações humanas existem apenas por tecnologias e confundem sexo com amor, futebol com seu país, Deus com religião e internet com a vida. Na maioria das casas a única maneira de reunir a família é desligar o Wi-Fi e esperar todo mundo vir reclamar. Passei uns dias com a minha mulher no interior e fiquei sem conexão durante este tempo. Graças a isso, percebi o que é mais importante na vida: a internet.

Mas um fato no mínimo curioso chamou a atenção do público recentemente. Um casal se conheceu pela internet, marcou um encontro, se conheceram melhor, namoraram até se casar. E como fruto dessa união, uma criança veio para coroar essa linda história de amor. Até aí tudo normal, até o casal Anderson e Janete decidir homenagear a rede social que se conheceram batizando seu filho com o exótico nome de Facebookson. 

Olha, eu estou na internet desde que computador era branco, ficava amarelado e tínhamos que colocar capa no teclado depois de usar. Ainda assim, não tinha visto algo sequer parecido. Anderson conta que somente conseguiu efetuar o registro na terceira tentativa, pois os funcionários do cartório não permitiam o nome que o papai queria colocar de inicio: Facebook. Então resolveu colocar Facebookson, uma mistura de Facebook com Anderson. Graças a Deus era um menino, pois se fosse menina o nome seria ainda mais estranho se seguissem a mesma lógica: Facebook + Janete = Facebookete. 

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

Lançado o Hotel-Cadeia


Quando pensamos que já vimos de tudo nessa vida, eis que Bangcoc, capital da Tailândia, ganhou um hotel temático para quem quer conhecer a sensação de ficar em uma prisão, com direito a celas, grades e camas desconfortáveis. No hotel, os hóspedes vestem roupas de presidiários e podem tirar "fotos de procurados". O hotel tem janelas vedadas, para criar a sensação de estar em confinamento. As diárias custam entre 75 e 150 reais aproximadamente.

Isso é que eu chamo de um rolê "chave de cadeia". Bem que eu queria conhecer, mas estou sem grana. A geladeira aqui de casa tá igual cadeia: só tem grade. 

Hoje em dia quando o assunto é cadeia já ligamos à corrupção. Eu já acho que deviam fazer a Operação Lava Boeing, porque essa Lava Jato está levando pouca gente pra cadeia, embora já tenham alguns políticos que quando entram na cadeia e o Wi-Fi já conecta automaticamente. A ironia do Brasil é ter uma das maiores populações carcerárias do mundo e ainda ter mais bandido fora do que dentro da cadeia.

E as nossas cadeias não são tão bonitas quanto esse hotel. Se aqui fosse um país onde não reinasse a impunidade, os políticos já teriam melhorado as condições das celas. Estamos caminhando para uma sociedade que só haverá igrejas e cadeias: igrejas para regenerar os presos e cadeias para punir os líderes religiosos.

Antes eu pensava que cadeia alimentar era uma prisão. Quando eu era criança, eu achava que se casar no civil tinha que casar na cadeia. Sempre fui ingênuo nesses lances de cadeia. Tanto que já fui preso de gaiato duas vezes:

Na primeira, o policial me abordou e perguntou se eu tinha passagem. Eu respondi que não, porque não ia viajar. Rimos muito, apanhei e passei a noite na cadeia. Saí de lá direto para um hospital público e acreditem, a diferença entre um hospital e uma cadeia no Brasil, é que na cadeia você tem mais esperança de escapar com vida!

Na segunda vez, tomei um enquadro da PM e o policial perguntou se eu era maior. Cheguei do lado dele, medi ombro com ombro e respondi: não, você é mais alto!. Rimos muito, apanhei e fui preso novamente.

Nem sendo preso duas vezes, minha ex não quis mais nada comigo. Ultimamente ela parece cadeia: está sempre com um bandido diferente. Mas nem vou zoar, não quero confusão, quem dá sopa pra malandro é cozinheiro de cadeia.

Falando em malandro, recentemente o goleiro Bruno saiu da cadeia e rapidamente arrumou um emprego com salário de 12 mil por mês. Não sei no de vocês, mas acho que o que está faltando no meu currículo é um homicídio qualificado com ocultação de cadáver. O cara mal saiu da cadeia e só faltou aparecer no programa da Ana Maria Braga para ensinar a receita de escondidinho de presunto.

Enfim, no Brasil, o rico mata o pobre e o defunto que vai para a cadeia. Se tivesse um empreendimento desse aqui no Brasil seria engraçado, teria muita gente alugando os quartos para cumprir prisão domiciliar. 

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

O povo fecha os olhos para tanta safadeza!


O que anda mais perdida que cueca em noite de núpcias, é a esperança do povo em relação à política. A situação está tão feia que dependendo do próximo presidente não haverá passagem de faixa presidencial, mas de tornozeleira eletrônica. Essa semana vimos uma coisa inédita na nossa política: um presidente foi absolvido por excesso de provas. Será que vamos ter que chamar um pastor pra tirar o Temer da presidência?

É fato que finalmente Michel Temer conseguiu unir o Brasil: ninguém gosta dele. Ele anda tão queimado que nos seu discursos vem falando mais rápido que o cara que diz: "Esse medicamento é contra-indicado em caso de suspeita de dengue" nas propagandas de remédio. E cá para nós, essas votações da Câmara dos Deputados são como os discursos do Temer: não fazem sentido.

Falando nas votações, durante a votação dessa semana percebi que a última vez que vi tanto bandido na TV foi quando assisti o filme Carandiru. Percebi também que no mundo, deputado é parlamentar. No Brasil, deputado é para-lamentar. A gente poderia substituir os deputados por bonsais, seria mais útil.

Os bandidos comuns para arrombar um cofre precisam de algumas bananas de dinamite, já aquela corja precisa somente de alguns eleitores bananas, já que os deputados são como Pôncio Pilatos, lavam as mãos e ainda entram na oração. O Temer já foi citado mais vezes na Lava Jato do que Clarice Lispector no Facebook, mesmo assim ninguém tira ele do poder e nem se manifesta. O cara está com 76 anos, imagine uma delação premiada dele: "Tudo começou lá, antes de Cristo, em uma licitação do Império Romano...".

O fato é que tudo anda tão confuso ultimamente que tivemos que aprender a escrever/falar Impeachment, Odebrecht, Triplex, Coercitivamente e Judicialização. Para ler sobre política no país temos que ter um dicionário português-inglês do lado. 

Enfim, ame uma pessoa como Romeu amou Julieta, Galvão ama Neymar e o Deputado Wladimir Costa (SD-PA) ama o Temer. O cara tatuou o nome do Presidente! Os eleitores dele deviam tatuar um alho para afastar deles esses espíritos ruins. Vimos tanto grampo, tanta gravação, tanto dedo duro e ainda não vazou nenhum nude, mesmo com esse Deputado pedindo pelo WhatsApp durante a Sessão. Isso só confirma minha teoria de que gente ruim não transa, te fode, mas não transa.