quinta-feira, 6 de abril de 2017

É duro ser duro!


Eu sou pobre. E enquanto eu vejo milhões de brasileiros nas ruas protestando, eu também fui a vários protestos este mês: no SPC e no SERASA. Se tempo é dinheiro, meu relógio só vive atrasado.

Ando mais duro que bochecha de estátua, tão duro que quando eu entro nas lojas, os vendedores já abaixam a cabeça sabendo que só vou perguntar o preço. O diploma da faculdade até agora só me serviu para uma coisa: forrar a gaiola do passarinho.

Ultimamente ando mais apertado que saco de Cowboy. Fui ao banco pegar um empréstimo esses dias e nem consegui entrar. O detector de metal da porta giratória ficava travando por causa do prego que estava remendando minhas havaianas.

Não sei o que é melhor, ser feio e rico ou ser bonito e pobre. Mas eu sei muito bem o que é ser pobre e feio. A vida de pobre é muito difícil e ninguém faz nada para melhorar a nossa vida, a não ser um dos grandes gênios da humanidade, o chinês que inventou a raquete elétrica de matar pernilongos. Esse sim olhou para os pobres!

O pior lado da pobreza é querer comer coisas diferentes e não poder. Hoje se eu conseguir comer um frango, pode ter certeza que é porque eu ou ele está doente. Adoro laranjada, mas só tomo quando sai briga na feira.

Ser pobre na era da tecnologia também não é legal. Eu queria equipar meu computador que é mais lento que coice de porco. O teclado é tão antigo que mais parece o de uma máquina de datilografia. Meu celular é moderno, mas ganhei de uma amiga. Esses dias recebi uma mensagem de um amigo me chamando de pobre, mas não respondi porque não tinha créditos.

Comentava sobre minha pobreza com um amigo e ele me disse: “nossa, você está comendo o pão que o diabo amassou, hein?”. Eu respondi: “sim, o pão que ele amassou na semana passada”.

Ontem veio um mendigo falar comigo e me pediu um pão. Eu não podia ajuda-lo porque estava mais duro que ele. Mas fui categórico ao dizer que não poderia ajudar porque já era quase meio dia e que se ele comesse pão naquele horário não iria conseguir almoçar direito.

Já pensei em jogar na loteria para tentar ficar rico, mas pensando bem, se eu tivesse sorte na vida não estaria nessa situação. E também tenho medo de ficar rico sabe, sempre ouvi dizer que pobre é que nem lombriga, quando sai da merda, morre.

Termino por aqui, vou desligar o computador para economizar na conta de luz. O clima está chato aqui em casa ultimamente, principalmente depois do dia que eu pedi mesada para o meu pai. E se eu fosse contar todo o aperreio que eu passo devido a pobreza, esse texto nunca chegaria até aqui, a ultima linha.

Um comentário:

Bruna Prado disse...

Ri horrores. Me identifiquei!