quinta-feira, 20 de julho de 2017

Um post de aniversário


​​​​​Três coisas na vida ficam ainda melhores no dia seguinte: a vitória do seu time, pizza e aniversário. 

Nesse aniversário eu só queria ganhar um bolo: de dinheiro. Quando se passa dos trinta, entra em ação uma das maiores leis da vida: quanto mais aniversário você faz, menos presentes você ganha. O fato de ter a decoração de dinossauro no meu aniversário não significa que sou velho, ou significa? Estou tão velho que parece que quando Deus disse: faça-se a luz, eu puxei a fiação.

Estou com tanta conta sem pagar, que hoje a menina do SERASA me ligou logo cedo dando os parabéns. E não foi só ela que se lembrou não, uma meia dúzia de gatos pingados sempre se lembram do meu aniversário. Uma amiga da igreja mandou uma mensagem escrito "que Deus elimine a sua vida". Espero que seja ilumine e que ela tenha escrito errado. E na real, quem não tem aquela vontade de mandar "que bom, um ano a menos de vida", no aniversário de algumas pessoas? 

Um amigo de infância também me mandou os parabéns também:

- Parabéns, português boiola!
- Obrigado por se lembrar!
- Como poderia me esquecer a senha do seu wi-fi!

Fico sem graça em receber parabéns por fazer aniversário. É estranho você receber méritos por algo que não tem culpa. Seria mais lógico e sensato me dar os pêsames, já que em certa altura da vida não é um ano a mais e sim, um ano a menos. 

Fizeram uma festa surpresa para mim. Não importa quantos anos você tenha, você nunca vai saber como agir quando cantarem parabéns para você. Alguém sabe quanto tempo demora para realizar os pedidos de aniversário que eu fiz antes de apagar as velinhas? E haja velinha viu, precisei de um ventilador potente para apagar todas. 

Mas no fim foi legal, festa de aniversário, família reunida... e não tia, eu não tenho namorada! Atualmente estou até precisando de um "com quem será? ♫♪" no meu aniversário, pena que isso ninguém cantou.

segunda-feira, 17 de julho de 2017

A Miss Homicidio


Do nada começa um bang-bang na rua e o presunto está fresco. Em seguida a população começa a chegar com o pão, queijo e refrigerante. Até aí é algo normal, não há povo mais sádico que o brasileiro. Foi o que aconteceu em Recife, na comunidade Roda de Fogo, onde a população batia palmas e gritava ao assassino: “mais um, mais um”, pois o crime havia animado aquela tarde tediosa. Isso porque é época de festa junina no Nordeste, imagina quando chegar o Halloween. Ou a Festa de Cosme e Damião, pois aí sim o povo costuma distribuir bala para todo lado.

Mas quem estava com "fogo na roda" foi uma moça que, sem pudor nenhum, começou a fazer strip tease em frente à população e ao pobre e indefeso cadáver estendido no chão. Como se percebe pela foto e pelo fato, ela não tem nenhum corpo de levantar defunto. Diria até que não levanta nem o que está vivo. Não se sabe quem tinha mais furo, o peito de Antônio Ronnes da Silva, vulgo o morto, que parecia mais um queijo suíço, ou a bunda da tal moça, a qual identidade será mantida em sigilo, mas que chamarei carinhosamente de "Miss Homicídio", que parecia mais uma pedra-pomes, aquela de lixar o calcanhar. Ela ficou exibindo o corpo, mas vamos falar a real, se homem se apaixonasse por pernas e coxas, avestruz e galinha receberiam flores todos os dias.

A rua estava tão cheia na hora do tiroteio, que o cara levou o tiro e só pôde cair uma hora depois quando a rua começou esvaziar. Mas o que espanta mesmo é o jeito que a população encarou um fato como este e a banalização da violência. Parecia que ao invés de ter um corpo de uma pessoa estendido no chão, parecia haver um bolo, pois o clima era de festa, e não de qualquer outro sentimento que corresponda com tamanha violência. Quando pensamos que o diabo está sem criatividade, a gente vê uma situação dessa.

O Brasil está parecendo o Velho Oeste. Naquela época, todo mundo andava com um revólver daqueles "canela seca" na cintura. Ninguém mexia com ninguém. Quando um mexia com o outro, tudo era resolvido ao meio-dia, num duelo. Quem ganhou viveu, quem perdeu, um abraço! A diferença é que hoje em dia, um século e meio depois é assim: eu ando na rua desarmado e quem vier mexer comigo, não me convida para um duelo nem nada, já me dá um tiro e leva meu dinheiro. E a população ainda samba em cima do meu cadáver.

Encerro dizendo que violência só gera mais violência, e amanhã o presunto fresquinho pode ser quem chegou hoje com o pão, com o queijo, com o refrigerante...

quinta-feira, 13 de julho de 2017

O dia do rock!


O dia 13 de julho é reconhecido no Brasil como o Dia Mundial do Rock. E eu como admirador desse estilo musical, não podia deixar passar essa data em branco mesmo não estando muito animado. Com tanta notícia de corrupção que tivemos essa semana no nosso país, hoje não estou a fim de ouvir nem rock, nem reggae, nem MPB, hoje o que me anima é ouvir uma notícia boa. 

Meus amigos religiosos dizem que o rock é música do diabo. Se o diabo é o pai do rock, eu nem quero conhecer o pai do "Despacito". E digo outra, se o diabo criou o rock, tenho medo mesmo é de quem criou o funk. Enquanto a apologia cultural musical for rebolar a bunda, se prostituir ou se drogar, não adianta querer discutir em mudar o futuro do país. Que saudade do tempo em que eu achava que "o pinto do meu pai fugiu com a galinha da vizinha" era a música mais pornográfica de todas.

Falando em música modinha, até o bom e velho Rock N´Roll vem sendo assassinado nessa onda de músicas "universitárias". Tenho vários amigos que se dizem "emos". Emo é uma espécie de roqueiro universitário. Na boa, se Restart é considerado rock, então Xuxa "Só Para Baixinhos" deve ser considerado no mínimo heavy metal. E tem as meninas modinhas também. Usar sainha, com All Star de cano alto e meia arrastão não faz você parecer roqueira, e sim uma Chiquitita.

Tenho um primo que diz que é roqueiro e só anda com roupas de bandas famosas. Acho que Ramones e Nirvana viraram marcas de roupas e eu não estou sabendo. Ele é do tipo que se diz roqueiro, mas chora ouvindo Raça Negra pensando na ex. Na semana em que tem o Dia do Rock e o Dia do Homem, ele, assim como os meninos do Restart devem estar se sentindo excluídos.

Sou fã número um do Raul Seixas. A única coisa boa no fato dele já não estar mais aqui, é saber que ele nunca fará um dueto com Anitta, Ludmila ou Nego do Borel.

Eu já curto e sou do tempo do "Sexo, drogas e Rock N´Roll". Me livrei das drogas e estou tentando curtir bastante os outros dois. Vou sempre para os shows com meu amigo Alfafa. Ele é tão orelhudo que um dia desses ele foi balançar a cabeça em um show de rock e saiu voando.

Já vou me despedindo porque hoje o post é curtinho. Vou para um bar de rock comemorar a data. Para você que vai também, deixo só um conselho: não fique bêbado, lá é escuro e todo mundo tem os cabelos longos.


segunda-feira, 10 de julho de 2017

O caso da Mulher Catchup!


Um caso de polícia no mínimo curioso agitou a pacata Pindobaçu, interior da Bahia. A cidade de 20 mil habitantes, é tão pequena, que se alguém bate palmas no seu portão, a cidade inteira ouve. Se alguém espirrar, a cidade toda pega gripe. Geralmente as mulheres brigam por 3 razões: porque ela está com raiva, porque ela está de TPM e porque sim. Mas nesse caso uma briga de mulher causou mais confusão que um macaco em uma plantação de banana na pacata cidade. 

Uma mulher chamada Maria Nilza contratou por mil reais o senhor Carlos Roberto, um pistoleiro, ou como diz meu amigo Diegão Silva, um facãozeiro, para exterminar a dona de casa, batizada de Eronildes Aguiar Araújo, que a partir de agora será denominada "Mulher Catchup" nesse texto. Carlos era capoeirista, e na boa, não sei qual a utilidade de lutar capoeira. Não dá para começar a briga sem antes chamar o cara que toca berimbau para fazer os efeitos sonoros.

Quando o malfeitor chegou ao local em que executaria o serviço combinado, ele percebeu que conhecia a vítima, desistiu do crime e combinou a seguinte farsa: a vítima foi convidada a ser amarrada, posar como falecida, com um facão preso entre o tronco e o braço, amarrada e encharcada de catchup, aceitando a simulação por um cachê de R$240,00, o que rendeu o apelido de Mulher Catchup.

Dias depois, a mandante descobriu que o crime não foi executado, pois encontrou o mau elemento aos beijos com a suposta vitima, em uma feira livre da cidade. Bom, como podemos perceber, no fim das contas o único que acertou algum golpe na Mulher Catchup foi o cupido, nem quero imaginar como fizeram para tirar aquele catchup todo do corpo dela depois.

Nessa hora o clima esquentou de vez, já que briga de mulher começa a ficar séria quando uma chama a outra de fofa ou querida na frente de todo mundo. Irritada com a mentira, Maria denunciou Carlos por um falso assalto a ela, mas como ninguém tinha prova de nada e por falta de flagrantes, nenhum dos três foram detidos nessa novela. Nesta passagem pela delegacia, Carlos contou o ocorrido para a polícia e assim tudo foi esclarecido. Para o Carlos fica a lição: em briga de aranha, mosca não se mete no meio.

E outra, briga de casal só traz mais problemas, veja a briga entre a Joelma e o Chimbinha, por exemplo, foi a pior coisa que aconteceu, porque ao invés de acabar com a banda, agora temos duas! Sou bom para apartar brigas, ontem vi dois cegos brigando na rua e gritei: "estou torcendo para o que está com a faca". Os dois saíram correndo.

A Mulher Catchup relatou que quer se aproveitar destes seus quinze minutos de fama para tentar uma cadeira na câmara municipal nas próximas eleições municipais. Como já sabemos, político não precisa ter preparo neste país, é só fazer uma palhaçada igual essas e já está pronto, abestado!

“Depois que saí na televisão e no jornal todo mundo grita na rua que é meu fã”. A Mulher Ketchup já conquistou até as crianças: “O ônibus escolar parou por minha causa. Aquela meninada toda gritando das janelas e o motorista buzinando”. Disse à imprensa. Boa sorte à ela, que hoje segue a vida sem o capoeirista e facãozeiro, Carlos. Mas a vida é assim, quando uma porta se fecha, outra se abre, sou prova disso, meu carro é assim.

quinta-feira, 6 de julho de 2017

De feio já basta eu!


Podem me xingar do que quiserem, mas não gosto de gente feia. Não que eu seja bonito, é que nem nós os feios, gostamos de gente feia.

Quem ler esse primeiro parágrafo vai dizer que sou uma pessoa que não liga pra beleza interior, que sou idiota e preconceituoso. Você tem razão na questão do idiota, mas vai ver o quanto é hipócrita se ler o parágrafo abaixo.

Dia doze de junho foi o dia dos namorados. E você que passou sozinho essa data nesse ano ou em algum outro, qual motivo disso acontecer? Por opção! Vai me dizer que não tem um(a) feinho(a) ou gordinho(a) gente boa no seu pé e você não namora porque ele(a) é feio(a) e você morre de vergonha de andar com o(a) fulano(a) de mãos dadas no Shopping? Sempre tem, então quem não liga para beleza interior, é idiota e preconceituoso é você!

Certa vez conversava com uma menina sobre esse assunto e ela me chamou de idiota quando disse a teoria acima. Ela não quis nada comigo, não porque eu sou idiota, mas sim porque eu sou feio! Se fosse o Brad Pitt que falasse isso ela iria achar bonita essa conversa feia. Posso dizer baseado nos olhares que recebo das barangas, que sei perfeitamente como se sentem as gatinhas que eu olho.

Se feiura fosse bom ia ter concurso, igual existem os concursos de beleza. Nunca veio ninguém falar pra mim: “Nossa, que mina feia, me apresenta” ou “Nossa, que mina horrorosa, to excitado, vou ao banheiro e já volto”. E olha que tenho amigos que estão com as mãos mais peludas que as costas do Tony Ramos. Tenho um amigo tão feio, que colocaram uma foto dele no verso das carteiras de cigarro e olha que ele nem fuma! Uma vez vi um dragão com a cara dele tatuada nas costas. 

E não é só meu amigo que é feio, eu também sou. Se eu fosse um calçado, com certeza seria um Crocs. Não sei, mas em outra encarnação devo ter picado cebola na tábua dos dez mandamentos. Fui brincar de "Jogo Dos 7 Erros" com minha foto e em dez segundos já achei 25!

Volto a dizer que nem os feios gostam de feios. Pega aquela sua amiga que é mais feia que a situação da Etiópia, que coloca o cinto usando um bumerangue e aquele seu amigo mais feio que encoxar a mãe no tanque. Tente marcar um encontro. Eles não vão querer, os feios têm preconceito contra feios. 

Tem gente que é até bonita, mas comete atitudes que as deixam feias. Eu, por exemplo, acho horrível mulher que fuma e que cospe no chão, por mais bonita que ela seja acaba perdendo o encanto. Eu também cometo atitudes feias e acabo ficando mais feio que o normal. Uma vez eu fui à praia com o pessoal da minha rua e estava me sentindo o bonitão, já que o pessoal que foi é mais feio que batida de trem. Mas no final acabei estragando tudo, fiquei do mesmo nível deles quando fiquei só de sunguinha.

Como sempre o texto e a teoria, assim como a foto de ilustração foram feios. Mas não tenho remorso e nem me vou me arrepender de expor essa opinião. Assim como várias garotas bonitas não tiveram remorso e não se arrependeram de não terem ficado comigo só porque eu sou mais feio que brigar com a mãe por causa de mistura. É feio julgar as pessoas pela aparência, quase tão feio quanto as pessoas que você julga.

segunda-feira, 3 de julho de 2017

Martha, a cachorra mais feia do mundo!


A cachorra Martha foi eleita "a mais feia do ano" em 2017 no tradicional concurso que ocorre em Petaluma, no estado americano da Califórnia. Martha é uma Neapolitan Mastiff de 3 anos, mais de 55 kg e ganhou um prêmio de mil e quinhentos dólares. Na boa, se deram essa grana toda para a cachorra só porque ela é feia, estão devendo mais de um milhão de dólares para mim! 

Minha mãe diz que todo mundo que nasce bonito, no futuro vai ser feio e se nasceu feio, no futuro vai ser bonito. Depois ela me usa como exemplo: "Aí olha, o Rodrigo quando nasceu era lindo". Já meu pai diz que nasci tão feio, que no parto a minha mãe fazia força para me colocar para fora e o médico me empurrava de volta para dentro. Nesse dia até colocaram a fralda na minha cara, pensando que era a bunda.

Quando era criança e me perdia da minha mãe no supermercado, gritava: quem me acha bonito, levante a mão! Pronto, achava a minha mãe. Era tão feio que nem a Cuca vinha me pegar. Até o padre não quis me batizar, mandou esperar um mês pra ver se nascia rabo. 

Sou tão feio que o pessoal está digitando amém nas minhas fotos no Facebook. E olha que quando tiro foto só posto do pescoço para baixo. Fui editar uma selfie, selecionei "tirar imperfeições" e sumi da foto. 

Outro dia na balada uma mulher me chamou de lindo. Eu fiquei morrendo de vergonha: vergonha de perguntar o quanto de cachaça ela já tinha bebido. 

Levei meus óculos para consertar porque estava torto, mas a garota da ótica disse que ele estava normal, o que precisa de ajustes era a minha cara. Não é a toa que quando me casei quem entrou de véu cobrindo o rosto na igreja fui eu. 

Na minha cidade começou a campanha "Cidade Mais Bonita". Estou fazendo a minha parte ficando em casa. Falando nisso, eu e a garota mais linda do bairro estamos namorando. Eu namoro a vesguinha e ela o filho do prefeito. 

As vezes tenho uma sensação de beleza, mas ela é como a carga da bateria do meu celular: ela vai acabando conforme vou tirando fotos minhas. 

Algumas pessoas foram desenhadas enquanto Deus estava namorando. Eu fui desenhado enquanto ele aprendia a usar o Paint. 

Diz o ditado que beleza não põe a mesa, mas feiura faz até perder a fome. E já que beleza está nos olhos de quem vê, eu não sou feio, são as pessoas que me veem que não tem beleza nos olhos.