quinta-feira, 31 de agosto de 2017

Facebookson é o nome dele!


Hoje em dia, na era das redes sociais, os casais modernos vem se formando através de perfis em diversos sites e aplicativos. Não vou mentir, já me inscrevi num aplicativo de namoro, mas não pus foto, nem data de nascimento, nem meu nome verdadeiro. Me falaram que não devemos nos expor muito na internet. Esse tal de Tinder é uma espécie de iFood, só muda a finalidade.

Hoje em dia as relações humanas existem apenas por tecnologias e confundem sexo com amor, futebol com seu país, Deus com religião e internet com a vida. Na maioria das casas a única maneira de reunir a família é desligar o Wi-Fi e esperar todo mundo vir reclamar. Passei uns dias com a minha mulher no interior e fiquei sem conexão durante este tempo. Graças a isso, percebi o que é mais importante na vida: a internet.

Mas um fato no mínimo curioso chamou a atenção do público recentemente. Um casal se conheceu pela internet, marcou um encontro, se conheceram melhor, namoraram até se casar. E como fruto dessa união, uma criança veio para coroar essa linda história de amor. Até aí tudo normal, até o casal Anderson e Janete decidir homenagear a rede social que se conheceram batizando seu filho com o exótico nome de Facebookson. 

Olha, eu estou na internet desde que computador era branco, ficava amarelado e tínhamos que colocar capa no teclado depois de usar. Ainda assim, não tinha visto algo sequer parecido. Anderson conta que somente conseguiu efetuar o registro na terceira tentativa, pois os funcionários do cartório não permitiam o nome que o papai queria colocar de inicio: Facebook. Então resolveu colocar Facebookson, uma mistura de Facebook com Anderson. Graças a Deus era um menino, pois se fosse menina o nome seria ainda mais estranho se seguissem a mesma lógica: Facebook + Janete = Facebookete. 

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

Lançado o Hotel-Cadeia


Quando pensamos que já vimos de tudo nessa vida, eis que Bangcoc, capital da Tailândia, ganhou um hotel temático para quem quer conhecer a sensação de ficar em uma prisão, com direito a celas, grades e camas desconfortáveis. No hotel, os hóspedes vestem roupas de presidiários e podem tirar "fotos de procurados". O hotel tem janelas vedadas, para criar a sensação de estar em confinamento. As diárias custam entre 75 e 150 reais aproximadamente.

Isso é que eu chamo de um rolê "chave de cadeia". Bem que eu queria conhecer, mas estou sem grana. A geladeira aqui de casa tá igual cadeia: só tem grade. 

Hoje em dia quando o assunto é cadeia já ligamos à corrupção. Eu já acho que deviam fazer a Operação Lava Boeing, porque essa Lava Jato está levando pouca gente pra cadeia, embora já tenham alguns políticos que quando entram na cadeia e o Wi-Fi já conecta automaticamente. A ironia do Brasil é ter uma das maiores populações carcerárias do mundo e ainda ter mais bandido fora do que dentro da cadeia.

E as nossas cadeias não são tão bonitas quanto esse hotel. Se aqui fosse um país onde não reinasse a impunidade, os políticos já teriam melhorado as condições das celas. Estamos caminhando para uma sociedade que só haverá igrejas e cadeias: igrejas para regenerar os presos e cadeias para punir os líderes religiosos.

Antes eu pensava que cadeia alimentar era uma prisão. Quando eu era criança, eu achava que se casar no civil tinha que casar na cadeia. Sempre fui ingênuo nesses lances de cadeia. Tanto que já fui preso de gaiato duas vezes:

Na primeira, o policial me abordou e perguntou se eu tinha passagem. Eu respondi que não, porque não ia viajar. Rimos muito, apanhei e passei a noite na cadeia. Saí de lá direto para um hospital público e acreditem, a diferença entre um hospital e uma cadeia no Brasil, é que na cadeia você tem mais esperança de escapar com vida!

Na segunda vez, tomei um enquadro da PM e o policial perguntou se eu era maior. Cheguei do lado dele, medi ombro com ombro e respondi: não, você é mais alto!. Rimos muito, apanhei e fui preso novamente.

Nem sendo preso duas vezes, minha ex não quis mais nada comigo. Ultimamente ela parece cadeia: está sempre com um bandido diferente. Mas nem vou zoar, não quero confusão, quem dá sopa pra malandro é cozinheiro de cadeia.

Falando em malandro, recentemente o goleiro Bruno saiu da cadeia e rapidamente arrumou um emprego com salário de 12 mil por mês. Não sei no de vocês, mas acho que o que está faltando no meu currículo é um homicídio qualificado com ocultação de cadáver. O cara mal saiu da cadeia e só faltou aparecer no programa da Ana Maria Braga para ensinar a receita de escondidinho de presunto.

Enfim, no Brasil, o rico mata o pobre e o defunto que vai para a cadeia. Se tivesse um empreendimento desse aqui no Brasil seria engraçado, teria muita gente alugando os quartos para cumprir prisão domiciliar. 

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

O povo fecha os olhos para tanta safadeza!


O que anda mais perdida que cueca em noite de núpcias, é a esperança do povo em relação à política. A situação está tão feia que dependendo do próximo presidente não haverá passagem de faixa presidencial, mas de tornozeleira eletrônica. Essa semana vimos uma coisa inédita na nossa política: um presidente foi absolvido por excesso de provas. Será que vamos ter que chamar um pastor pra tirar o Temer da presidência?

É fato que finalmente Michel Temer conseguiu unir o Brasil: ninguém gosta dele. Ele anda tão queimado que nos seu discursos vem falando mais rápido que o cara que diz: "Esse medicamento é contra-indicado em caso de suspeita de dengue" nas propagandas de remédio. E cá para nós, essas votações da Câmara dos Deputados são como os discursos do Temer: não fazem sentido.

Falando nas votações, durante a votação dessa semana percebi que a última vez que vi tanto bandido na TV foi quando assisti o filme Carandiru. Percebi também que no mundo, deputado é parlamentar. No Brasil, deputado é para-lamentar. A gente poderia substituir os deputados por bonsais, seria mais útil.

Os bandidos comuns para arrombar um cofre precisam de algumas bananas de dinamite, já aquela corja precisa somente de alguns eleitores bananas, já que os deputados são como Pôncio Pilatos, lavam as mãos e ainda entram na oração. O Temer já foi citado mais vezes na Lava Jato do que Clarice Lispector no Facebook, mesmo assim ninguém tira ele do poder e nem se manifesta. O cara está com 76 anos, imagine uma delação premiada dele: "Tudo começou lá, antes de Cristo, em uma licitação do Império Romano...".

O fato é que tudo anda tão confuso ultimamente que tivemos que aprender a escrever/falar Impeachment, Odebrecht, Triplex, Coercitivamente e Judicialização. Para ler sobre política no país temos que ter um dicionário português-inglês do lado. 

Enfim, ame uma pessoa como Romeu amou Julieta, Galvão ama Neymar e o Deputado Wladimir Costa (SD-PA) ama o Temer. O cara tatuou o nome do Presidente! Os eleitores dele deviam tatuar um alho para afastar deles esses espíritos ruins. Vimos tanto grampo, tanta gravação, tanto dedo duro e ainda não vazou nenhum nude, mesmo com esse Deputado pedindo pelo WhatsApp durante a Sessão. Isso só confirma minha teoria de que gente ruim não transa, te fode, mas não transa.