quinta-feira, 24 de agosto de 2017

Lançado o Hotel-Cadeia


Quando pensamos que já vimos de tudo nessa vida, eis que Bangcoc, capital da Tailândia, ganhou um hotel temático para quem quer conhecer a sensação de ficar em uma prisão, com direito a celas, grades e camas desconfortáveis. No hotel, os hóspedes vestem roupas de presidiários e podem tirar "fotos de procurados". O hotel tem janelas vedadas, para criar a sensação de estar em confinamento. As diárias custam entre 75 e 150 reais aproximadamente.

Isso é que eu chamo de um rolê "chave de cadeia". Bem que eu queria conhecer, mas estou sem grana. A geladeira aqui de casa tá igual cadeia: só tem grade. 

Hoje em dia quando o assunto é cadeia já ligamos à corrupção. Eu já acho que deviam fazer a Operação Lava Boeing, porque essa Lava Jato está levando pouca gente pra cadeia, embora já tenham alguns políticos que quando entram na cadeia e o Wi-Fi já conecta automaticamente. A ironia do Brasil é ter uma das maiores populações carcerárias do mundo e ainda ter mais bandido fora do que dentro da cadeia.

E as nossas cadeias não são tão bonitas quanto esse hotel. Se aqui fosse um país onde não reinasse a impunidade, os políticos já teriam melhorado as condições das celas. Estamos caminhando para uma sociedade que só haverá igrejas e cadeias: igrejas para regenerar os presos e cadeias para punir os líderes religiosos.

Antes eu pensava que cadeia alimentar era uma prisão. Quando eu era criança, eu achava que se casar no civil tinha que casar na cadeia. Sempre fui ingênuo nesses lances de cadeia. Tanto que já fui preso de gaiato duas vezes:

Na primeira, o policial me abordou e perguntou se eu tinha passagem. Eu respondi que não, porque não ia viajar. Rimos muito, apanhei e passei a noite na cadeia. Saí de lá direto para um hospital público e acreditem, a diferença entre um hospital e uma cadeia no Brasil, é que na cadeia você tem mais esperança de escapar com vida!

Na segunda vez, tomei um enquadro da PM e o policial perguntou se eu era maior. Cheguei do lado dele, medi ombro com ombro e respondi: não, você é mais alto!. Rimos muito, apanhei e fui preso novamente.

Nem sendo preso duas vezes, minha ex não quis mais nada comigo. Ultimamente ela parece cadeia: está sempre com um bandido diferente. Mas nem vou zoar, não quero confusão, quem dá sopa pra malandro é cozinheiro de cadeia.

Falando em malandro, recentemente o goleiro Bruno saiu da cadeia e rapidamente arrumou um emprego com salário de 12 mil por mês. Não sei no de vocês, mas acho que o que está faltando no meu currículo é um homicídio qualificado com ocultação de cadáver. O cara mal saiu da cadeia e só faltou aparecer no programa da Ana Maria Braga para ensinar a receita de escondidinho de presunto.

Enfim, no Brasil, o rico mata o pobre e o defunto que vai para a cadeia. Se tivesse um empreendimento desse aqui no Brasil seria engraçado, teria muita gente alugando os quartos para cumprir prisão domiciliar. 

Nenhum comentário: