quarta-feira, 26 de junho de 2019

Fique frio, chegou o inverno!



Quando cai a temperatura as pessoas sempre procuram um jeito de esquentar o clima. E sempre o que há de mais acalorado são as eternas discussões sobre o que é melhor, o frio ou o calor. Eu particularmente não gosto nem do calor e nem do frio, eu gosto é de reclamar da temperatura.


Está tão frio que acordei cedo com o barulho da dentadura da minha avó. A dentadura estava fazendo abdominal dentro do copo de água para se esquentar do frio. Levantei, saí e fui à praça dar milho aos pombos, mas curiosamente hoje não tinha nenhum. Só havia pinguins.

Tremi tanto de frio esses dias que se eu fosse uma galinha botaria um ovo já com a clara em neve. Se eu fosse uma vaca ao invés de dar leite, daria sorvete de nata.

Dizem que frio é psicológico. Pode até ser, fui tirar a dúvida com meu psicólogo e ele estava esquiando em Manaus para se ter uma ideia. Falando em psicológico, o meu também fica alterado no frio. Fico romântico como um europeu para arrumar alguém para me esquentar, mas a preguiça continua de brasileiro e o pênis continua de japonês. O pior é que na maioria das vezes o romantismo europeu não funciona. No frio as mulheres parecem pernilongos e somem misteriosamente. Até as piriguetes postam fotos com roupas nas redes sociais. 

Mas uma coisa em mim não muda no frio: continuo solidário! Tanto é que vi um mendigo dormindo no chão esses dias e peguei um colchão aqui em casa para levar para ele. Fiz uma fogueira com o colchão que o aqueceu a noite inteira. 

Fico bravo quando estou embaixo das cobertas e pedem para eu levantar no frio. Ontem, um frio danado e minha mãe me manda fechar a janela que estava frio lá fora. Fechei, mas continuou frio lá fora do mesmo jeito, cada coisa! 

Hoje está tão frio que a caixa d'água destampada virou pista de esqui para os mosquitos da dengue aqui em casa. Fui jogar Mortal Kombat, escolhi o Subzero e ele veio de blusa. Falando nisso, vou criar um aplicativo chamado "Dança da Manivela", só para saber onde está quente, onde está frio. 

Até lá no cemitério era ruim trabalhar no frio. Tinha dia que os fantasmas não apareciam de lençol e sim de edredom. 

Vou terminar esse texto porque tenho que tomar banho. Banho no frio é igual briga, eu fico evitando até o último momento, mas depois que eu entro não quero mais sair. Quando era criança nos dias frios eu fingia que tomava banho, ligava o chuveiro e sentava na privada enquanto a água caía no chão. Hoje depois de velho vi que não compensa passar frio a toa, agora esquento a tampa da privada com o secador antes de sentar. 

Sei que as piadas desse texto não foram muito boas e muita gente está me mandando mentalmente para o inferno. E olha, nesse frio eu vou mesmo.

quarta-feira, 19 de junho de 2019

Belo e a sucessão de sucesso


​​​​​O colunista do UOL, Chico Barney, publicou essa semana que o cantor Belo vem se firmando como sucessor do Rei Roberto Carlos, o que deixou os súditos do Rei mais aborrecidos do que são-paulino na zona. 

Os fãs do rei, argumentaram que o colunista está mais por fora do que bunda de índio e que é mais fácil varrer a escadaria da Penha de baixo para cima, do que isso acontecer.

Já as fãs do pagodeiro, mais faceiras que pintinho no lixo ou gordinho como eu de camiseta nova, disseram que o Belo, que na verdade é mais feio que encoxar a mãe no tanque na semana santa, superará o Roberto Carlos, provocando dizendo que ele é Rei porque no show dele só vai coroa.

Nos dias atuais, as pessoas inventam estatísticas para provar qualquer coisa, 99% das pessoas sabem disso e concordam comigo. O colunista do UOL, por sua vez, usou seis argumentos para comprovar a sua tese. Eu também vou avaliar, mas de forma mais inútil do que mijar em incêndio:

1. CONSISTÊNCIA

O autor disse que assim como podemos esperar o especial do Roberto Carlos no final do ano, anualmente também podemos esperar um disco novo do ex-vocalista do Soweto. Ou seja, o especial que chega junto com o Papai Noel e é mais manjado que panetone no Natal, é tão comum quanto o disco daquele que tem olhos vermelhos (não preciso nem citar o motivo) e pelos branquinhos (oxigenados, mas branquinhos), fazendo referência a outro feriado especial cristão.

2. REPERTÓRIO

O repertório dos dois também foi comparado. Embora eu não entenda muito de música, com uma perna só (sem referências) o Roberto tem um repertório melhor que o Belo. É uma comparação igual cravo em cima do beijinho: desnecessário. Se tem alguém que não entendeu a tal comparação, esse cara sou eu! 

3. ROMANTISMO

Os dois falam muito de amor e cá para nós, casamento é bom demais! Já fui em vários. Realmente os dois são muito românticos, tanto que as mulheres procuram encontrar o "cara" que o Roberto Carlos descreve em sua música. Seria mais fácil encontrar se a maioria não agissem como as garotas do repertório da Deize Tigrona. Hoje quando a maioria das garotas fazem piada em rede social dizendo que está grávida, metade do bairro já fica preocupado, menos eu, claro.

4. RELIGIOSIDADE

O Rei Roberto Carlos tem grandes sucessos dedicados à Nossa Senhora e a Jesus Cristo. Belo também é bastante religioso, tanto que quando foi preso por tráfico de drogas, ao ser interrogado se toda aquela droga era dele ele disse: toda não, só um terço. Mas o Belo não é o primeiro religioso que vende drogas, o Padre Marcelo Rossi, por exemplo, já vendeu quase um milhão de discos.

5. POLÊMICAS

Ambos já se envolveram em polêmicas daquelas que olhamos e exclamamos: que papelão! Atualmente quando usamos esta exclamação, Roberto Carlos acha que estamos nos referindo à carne que ele é garoto propaganda. Belo sempre está envolvido em polêmicas com mulheres. Eu também estive envolvido em uma polêmica com minha mulher esses dias, quando ela encontrou uma calcinha no meu quarto. Tive que dizer que sou travesti, já pensou se ela descobre a verdade? Ia dar um problemão se ela soubesse que sou um revendedor DeMillus. 

6. INTERESSE GERAL

O maior interesse que o cantor Belo me despertou foi o seguinte: por que será que o milho verde é amarelo, o quadro-negro é verde, o Halls preto é branco e o cantor Belo é feio?

Enfim, em um país onde Neymar é sucessor do Pelé, Felipe Massa é sucessor do Ayrton Senna e Anitta é a sucessora da Elis Regina, não me surpreende ouvir dizer que o Belo é o sucessor do Roberto Carlos. Daqui a pouco vão publicar que o Valdemiro Santiago é o sucessor de Jesus Cristo. 

E para você, caro leitor, quem é o sucessor do Rei Roberto Carlos? Eu não sei, só digo uma coisa, comparações nem sempre são justas e são mais perigosas que macaco brincando com navalha. 

quarta-feira, 12 de junho de 2019

O amor papel higiênico


Namoro é a união de duas pessoas que se amam, que se preparam para passar o resto da vida juntas após o casamento e constituir família, não é? Com certeza, se estivéssemos na década de 50. Naquele tempo sim, as coisas eram respeitosas. Hoje as relações duram menos do que cuspe em ferro quente.

Hoje em dia, os relacionamentos em geral, deixaram de ser uma união para se tornar um jogo em que os adversários estudam cada lance para ver quem vai sair ganhando no final. Já entram no barco pensando na melhor maneira de sair quando ele começar a afundar.

Hoje é o dia dos namorados. Nesse dia percebo que cada um tem a namorada que merece, eu, por exemplo, não tenho. Acho que é porque a primeira coisa que reparo em uma mulher é o bom gosto dela: se ela tiver, já sei que não tenho chance.

Eu já até namorei algumas vezes, mas não deu certo. Sou desses que passa o dia dos namorados, solteiro e o dia dos finados, vivo. Ou seja, sou do contra!

As mulheres nunca tiveram muita paciência comigo. Amor de namorados hoje em dia na maioria dos casos é como papel higiênico: diminui a cada cagada.

Certa vez, uma ex-namorada me disse que queria de presente algo que deixasse ela bonita. Comprei uma garrafa de vodka e bebi, quando cheguei na casa dela, ela estava linda. Namorar com uma mulher que bebe também não dá certo. Quando a gente brigava eu ia para o bar tomar todas para esquecer e a miserável já estava lá bebendo!

Ela se antecipava, mas quando eu fazia algo antes dela, era briga na certa. Um dia soltei um peidinho inocente e ela me disse: “como você tem coragem de peidar na minha frente?”. Eu lá tinha como saber que era a vez dela peidar?

Mas o engraçado foi quando ela terminou comigo. Ela disse que eu não combinava com o sapato novo dela. Até aí tudo bem, ela me trocou, mas não a condeno, se eu pudesse também me trocaria, mas como não posso tenho que me aturar. E outra, pessoas medianas são assim, em um dia te ama e no outro não mais.

Uma outra quando terminou deixou um bilhete na porta da geladeira escrito: acabou tudo. Abri a geladeira e vi que estava cheia. Não entendi nada!

Ela me disse que o rímel estava caro para gastar chorando por qualquer idiota. Agora, o batom deve estar barato, já que pelo que sei ela está gastando com a cidade inteira.

E cá para nós, frescuras de relacionamentos são iguais panfletos que te dão na rua: você não é obrigado a aceitar!

Uma vez namorei uma garota viciada em signos. Meu signo dizia: ótimo dia para negócios, no amor se declare para pessoa amada. Seguia o que os astros diziam, mas o signo dela dizia: péssimo dia para negócios, no amor não acredite em promessas. Aí me lascava!

Recentemente o Facebook colocou uma flor para reações no dia das mães. Agora poderia colocar uma para o dia dos namorados, o que acham? As reações do Facebook, em ordem, são as fases de um relacionamento. Confere ai!


Triste mesmo é o que aconteceu comigo no ano passado, quando comprei presente do dia dos namorados parcelado no cartão e o namoro não chegou nem na segunda parcela. Fui encontra-la mais cheiroso que mão de barbeiro, mais arrumado do que burro de cigano em dia de festa e no final ela me deixou falando sozinho feito “A voz do Brasil”.

Essa data para mim é igual cravo em cima do beijinho: desnecessária. Existem casais que levam a sério não só essa data, mas o compromisso que firmaram um com o outro. Mas a grande a maioria namora por carência, por conveniência ou por qualquer motivo que não seja de casar e ter objetivos em comum. Fim!

quarta-feira, 5 de junho de 2019

Cada porrada, um flash!



Sertão do Pernambuco, semi-final do campeonato estadual entre o time local, o Salgueiro e um gigante do estado, o Santa Cruz. O clima era quente, literalmente. De repente acontece um desentendimento no gramado e a pancadaria começa. Um policial entra em campo e:

( ) desce a chibata em todo mundo
( ) aparta a briga e põe ordem na situação
( ) saca o celular do bolso e começa a tirar foto da treta

Acertou quem assinalou a última alternativa!


Acredito que o correto mesmo era chegar sentando a chibata nos baderneiros, mas como um bom pai de família, o policial decidiu preservar a paz nos estádios.


Conter a confusão e deixar de registrar um momento lindo desse? PM raiz, parabéns! Conter a treta não dá like, o like vem da foto da treta nas redes sociais. Registrar primeiro, postar nas redes sociais e se der, conter. Se não der, paciência, segue o jogo. 

Essa autoridade, mais eficiente que japonês na roça, deve ser condecorada com a maior honraria do futebol brasileiro: um vale Pitu, um espetinho de porco e a medalha Piliquinha. Piliquinha, para quem não sabe, é (ou foi) uma lenda viva (ou não) do futebol da Vila São Pedro. Futebol da Vila São Pedro:

Regras: não há regras 

Limites: não há limites.

Antes que este mito seja crucificado, vamos deixar tudo bem justificado. Ele entrou em campo, fez essa foto, postou no Instagram e Facebook com a legenda: "Começando os trabalhos". Depois foi resolver a treta.

É fato que a polícia do Brasil primeiro joga gasolina na fogueira, depois tenta apagar o incêndio. Mas nesse caso, esse nobre policial estava apenas colhendo provas para justificar o fato de ter descido a chibata em todo mundo depois, haja vista que no Brasil quando polícia bate em baderneiro, quem vai preso é o policial.

Diz o ditado que uma imagem vale mais que mil palavras. E que imagem! Na vida e na hora do jogo todo mundo é malandro, mas quando a polícia chega é todo mundo trabalhador.


Isso é o que eu chamo de jornalismo esportivo policial. Uma mistura de Casos de Família com Polícia 24 Horas. 

Após o ocorrido, indagado pela imprensa, que depois dessa brilhante cobertura da treta podem ser chamados de colegas pelo policial, o militar disse: "Essa é para mostrar aos netos como era o futebol que vocês estão tentando matar". 

É por causa de histórias como essa que eu ainda insisto em pagar internet. Quem nunca tirou uma fotinho no trabalho para mandar no grupo da firma? 

E cá para nós, policial é pago pra defender a sociedade e não trabalhar de graça em jogo de futebol. Está certo em não se meter, deixa esses bestas que brigam por causa de jogo se matarem sozinhos.