quarta-feira, 27 de novembro de 2019

Só a cabecinha?


Hoje pela manhã fiquei horas preso no trânsito. Agora sei como a minha vizinha se sentiu quando ficou presa no toboágua do clube. Mas nada que se compare ao caso do pobre Rebel, um cachorro que foi encontrado ganindo e com a cabeça aparecendo do outro lado da parede de 46 centímetros de espessura, enquanto seu corpo se manteve firmemente do outro lado, causando mais alvoroço que bêbado no convento. 

Minha vizinha que ficou presa no toboágua não tem nada em comum com o pobre cachorro, peço desculpas (ao cachorro) pela comparação infeliz. É que desde que ela colocou um piercing na língua, só posta fotos na internet de língua de fora parecendo um cachorro com sede. Fotos que parecem com as de cachorro para adoção: todo mundo curte, mas ninguém quer levar para casa. 

Voltando ao assunto, o dono do animal (do cachorro) disse que essa história toda lhe rendeu a maior dor de cabeça. O que é no mínimo curioso, visto que quem quase teve a cabeça serrada pelos bombeiros foi o cachorro, não ele. Segundo ele, o cachorro brincava no quintal quando enfiou a cabeça em um buraco existente no muro. Aí eu pergunto: brincava do quê? De Copa do Mundo, ele era o Zidane e deu uma cabeçada no muro que era o zagueiro da Itália?

Era um cão pastor e como de praxe quis dar uma mudadinha de leve nas escrituras. Em Marcos capítulo 10, versículo 25 diz: “é mais fácil um camelo passar pelo buraco de uma agulha do que um rico entrar no reino dos céus”. Ele quis mudar de camelo para cachorro e de agulha para parede. O problema é que ficou preso e nem deu para passar recolhendo o dízimo.

Outra escrita caiu por terra com essa história: a de que se passar a cabeça o resto passa fácil. Escrita que para mim nunca fez sentido, afinal, ao contrário do cachorro, pênis não tem ombro.

Já vi vários cachorros subindo pelas paredes a ponto de confundir minha perna com uma cachorra, mas cachorro entrando pelas paredes é a primeira vez que eu vejo.

No fim das contas, essa história nos deixa um aprendizado: esse negócio de "colocar só a cabecinha" quase sempre acaba com alguém sendo retirado à força.

quarta-feira, 20 de novembro de 2019

Um milagre pra cachorro!


Não sei como alguém pode fazer mal a um animal. Ainda mais a um cachorro que provavelmente é o animal mais amado do mundo. Está em todo lugar, em filmes, letras de músicas, a meia noite latindo na casa do vizinho. Se eu fosse um animal, queria ser um cachorro. Eles dormem o dia inteiro e quando acordam, o dono fala: "vai dormir". Só não entendo uma coisa sobre esses adoráveis bichos: se os cachorros têm o olfato muito mais potente que humanos, por que cheiram tão de perto o traseiro um do outro? 

Um amigo me disse uma vez que não há nada mais puro que o sorriso de um cão. Confesso que nunca vi. Já até contei piada para o Mortadela (meu cachorro) uma vez, mas ele não riu. Nem meu melhor amigo ri das minhas piadas. 

O Mortadela vivia perseguindo as pessoas de bicicleta. Um dia minha paciência acabou e tive que tomar uma atitude: tomei a bicicleta dele. Outra coisa que não entendo, é por que os cachorros correm para a porta quando a campainha toca? Raramente é para eles a visita.

Vi no Facebook esses dias que um psicólogo está vendendo um vídeo "Como testar o Q.I. do seu cachorro". Deve funcionar assim, se você gastar R$ 19,99 no DVD, com certeza seu cachorro é mais esperto que você. Falando em fatores psicológicos, acho que o motivo das pessoas terem cachorro é por segurança. Pela segurança de saber que existe pelo menos uma criatura nesse mundo que realmente gosta de você. Namorei uma garota que tinha uma cachorrinha e a miserável era muito chata, mas da cachorrinha eu até gostava.

Mas infelizmente nem todo mundo gosta de cachorro. Em Malta, uma cachorra recebeu 40 tiros de uma arma de pequeno calibre e foi enterrada viva. Contrariando qualquer probabilidade, ela foi encontrada por uma pessoa que passava pelo local. Star, como foi batizada, estava gemendo e somente com o focinho para fora da terra. A cachorra foi operada e passa bem. Já recebeu inúmeras propostas de adoção, mas agora ela prefere dar testemunho em igrejas evangélicas, afinal não é qualquer um que ressuscita.  

Enfim, fico triste com tamanha maldade. Estou meio sensível com essa história, tanto que minha namorada falou que eu sou um cachorro e meu humor só mudou agora quando ela me levou para passear.

quarta-feira, 13 de novembro de 2019

A arte no banheiro


Desde os tempos das cavernas, os seres humanos tem grande necessidade de se expressar e se comunicar. É notável não só a evolução da escrita, como também dos meios e formas de comunicação desde a era paleolítica até hoje. Entre os meios de comunicação e de expressão cultural, o que mais tem se notado evolução nos comunicadores é o banheiro. Isso mesmo, o banheiro público.

Antes usado somente para passar um fax, o banheiro hoje é um local onde os filósofos pós-modernos produzem suas obras. Não estou falando daquele negócio marrom e pastoso que recebe vários nomes diferentes e que no fundo é a mesma merda, mas sim das citações que são escritas nas paredes do recinto sagrado.

Existem frases conhecidíssimas, que podemos considerar as “Monalisas” como:

“Lá fora você é machão, aqui você é um cagão”.

“Não cague cantando porque o cocô não sai dançando”.

 “Aqui termina a obra de um cozinheiro”.

Essas duas últimas mostram que eles também entendem de música e de gastronomia.

Há quem pense que no banheiro só exista arte barroca, mas também há poesias de matar Carlos Drummond de inveja, exemplo:

“Cagar é a lei da vida, cagar é a lei do universo, e foi aqui cagando que eu escrevi esse verso”.

“Bosta não é tinta, dedo não é pincel, quando você cagar se limpe com papel”.

“Nesse lugar sagrado toda vaidade se acaba. O mais covarde se esforça e o mais valente se caga”.

Também existem escritores que fazem obras para reflexão, e cá para nós, não há momento mais propício para refletir do que esse momento sagrado. Certa vez vi essa frase em uma parede: “Enquanto você está cagando existe um japonês estudando”. Já vi também: “Homem que fala fino pode crer que caga grosso”. Reflitam.

Quem não tem dinheiro para classificados pode anunciar nas paredes dos banheiros públicos. Já vi de venda de carros até a venda do próprio corpo.

Há também quem procura a sua alma gêmea. E nem são tão exigentes, pelo que vi esse público gosta de gente bem dotada e que tenha o celular da mesma operadora.

Cuidado que também há “pegadinhas” nesse tipo de arte. Uma vez vi uma frase com letras miúdas no rodapé da porta. Me abaixei para ler e a frase dizia: “Cuidado, se chegar muito perto você corre o risco de cagar fora do vaso”.

Deixo claro que sou totalmente contra qualquer tipo de pichação, não sou a favor desse tipo de "arte" que na verdade é vandalismo. 

No banheiro é sim um lugar para contemplarmos uma boa leitura, mas o ideal é levar um bom livro, revista ou um jornal para lermos enquanto estamos em nosso trono real. Ainda bem que este blog não é impresso, senão alguém ia querer se limpar com ele. E cá para nós, com a qualidade dos textos que escrevo, se alguém se limpasse com isso seria difícil distinguir o que é fezes e o que texto.

quarta-feira, 6 de novembro de 2019

​​​​​Homem não beija ninguém em micareta e processa prefeitura


Um universitário assim como eu, virgem, intocado, invicto, puro e imaculado, que se identificou como J.C.A. entrou com uma ação por danos morais contra a prefeitura de Guararapes do Norte, no glorioso estado do Acre. O motivo? O rapaz não beijou ninguém em uma micareta promovida pela prefeitura. 

O cabaço, digo, o universitário, mais perdido que azeitona em pão doce, alegou que “depois de quase dez horas de curtição e bebedeira não conseguiu conquistar nenhuma das muitas jovens que corriam atrás de um trio elétrico”. O que o deixou mais nervoso que gato em dia de faxina, foi o fato de que todos os seus amigos da festa saíram com historias pra contar. 

Se esse cara tivesse morrido de overdose na micareta, seria homenageado em sua lapide: "Nasci virgem, vivi virgem e morri virgem". Ou para resumir poderia apenas colocar: "Devolvido sem uso".

Fui em uma micareta em um local fechado uma vez. Naquele dia entendi como os presidiários conseguem cavar um túnel usando apenas uma colher. Meses depois apareceram várias meninas novinhas grávidas, e eu aqui querendo saber como a água entra no coco. Todo mundo diz que o álcool mata, mas não dizem que por sua causa também nasce muita gente.

Imagina essas meninas ninando seus filhos:

- Mãe, canta alguma coisa pra eu dormir?
- Desejo a todas inimigas vida longa... ♪♫ 
- Não, tá bom, deixa que eu durmo sozinho!

A prefeitura se defendeu com o argumento de que não é responsável pelo fato do jovem ser mais frouxo que colarinho de palhaço e não ter capacidade de pegar uma mulher numa micareta. O prefeito, mais enrolado que briga de polvo, disse que o evento era uma comemoração de caráter familiar. Quem já ouviu falar ou foi em uma micareta sabe que de caráter familiar não tem nada. 

No final das contas, os dois lados saíram vitoriosos: a prefeitura por vencer a causa contra o estudante e o virjão que conseguiu uma namorada do setor de aconselhamento psicológico do município. Cada panela tem sua tampa.